Blog

Seguro para Doenças Graves

No último post aqui do blog comentamos sobre um seguro que visa dar amparo financeiro quando o segurado é diagnosticado com câncer, este seguro é o de vida que além das coberturas corriqueiras deste seguro deve ser contratado juntamente a cobertura para Doenças Graves.

Como funciona essa cobertura de Doenças Graves?

 A cobertura de Doenças Graves tem por objetivo garantir ao segurado o pagamento de uma indenização caso o mesmo receba um diagnóstico de uma das Doenças abaixo citadas e desde que o primeiro diagnóstico da doença ocorra durante a vigência desta cobertura e após o período de carência (90 dias para todas as doenças exceto Esclerose Múltipla que é 180 dias) estabelecido no Seguro.

Doenças cobertas: Diagnóstico positivo de Acidente Vascular Encefálico (Derrame), Câncer (Apenas Malignos), Cirurgia de Revascularização Miocárdica com Implante de Pontes Vasculares nas Artérias Coronarianas (Bypass), Cirurgia da Aorta, Insuficiência Renal, Infarto Agudo do Miocárdio, Transplante de Órgãos, Cirurgia das Valvas Cardíacas, Esclerose Múltipla e Doença de Alzheimer, respeitadas as definições, caracterizações e exclusões de cada doença, conforme condições gerais do produto.

  • Esta cobertura será automaticamente excluída quando o cliente atingir 70 anos de idade.

 

Para contratação desta cobertura é necessário preencher a Proposta de Adesão, bem como responder a declaração de saúde, após o envio desta proposta para seguradora ela possui 15 dias para realizar a análise. Após analise a seguradora pode: aceitar a proposta com as informações já encaminhadas ou solicitar exames complementares para avaliação de aceitação.

A indenização por doenças graves pode ser acionada quando houver o diagnóstico de uma das doenças acima mencionadas, e desde que o segurado sobreviva 30 dias após este diagnóstico. Ao acionar esta cobertura dentro da apólice vigente, o segurado deverá encaminhar uma serie de documentos a seguradora, assim que indenizado esta cobertura é automaticamente excluída da apólice, no entanto, as demais coberturas de morte,invalidez e funeral permanecem ativas.

O valor indenizado pode ser utilizado da melhor maneira para a cliente, pode ser utilizado para tratamentos, cirurgias, medicamentos ou até viagens, compra de bens,etc., assim que a indenização é recebida é de poder do cliente decidir o que será feito com o valor.

Saiba mais e contrate este seguro conosco, (47) 3222-0284.

Garanta já o seu amparo financeiro!

Outubro Rosa

A Sorella é dirigida por mulheres, e de mulher para mulher queremos falar sobre um assunto muito importante com você.

Hoje vamos falar sobre Outubro Rosa, o principal assunto deste mês, o movimento do Outubro Rosa surgiu para conscientização desta doença que vem crescendo cada vez mais em nosso meio, o câncer. O câncer de mama, em específico, é o tipo de câncer que mais atinge mulheres no mundo e no Brasil, e, além disto, é a segunda maior causa de mortes no país.

De acordo com os dados recentes do Instituto Nacional de Câncer (INCA), a partir de 2018, estima-se que cerca de 59.700 novos casos de câncer de mama sejam diagnosticados no Brasil por ano. O número indica que a cada 100 mil mulheres, cerca de 56 desenvolvem a condição.

O INCA também informa que o câncer de pele é o primeiro mais frequente nas mulheres das Regiões Sul (73,07/100 mil), Sudeste (69,50/100 mil), Centro-Oeste (51,96/100 mil) e Nordeste (40,36/100 mil). Na Região Norte, é o segundo tumor mais incidente (19,21/100 mil)

Os dados alarmantes posicionam a neoplasia como a segunda que mais acomete mulheres em todo o mundo. Diante da realidade, a melhor medida continua sendo a prevenção.

Fonte: Mapfre Seguros

Existe tratamento para câncer de mama, e o Ministério da Saúde oferece atendimento por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS. Outra forma de amparar financeiramente a pessoa que é diagnosticada com câncer é com o seguro de vida que proporciona cobertura quando a segurada é diagnosticada com câncer durante a vigência do mesmo, quer conferir mais? Entre em contato como conosco, até mais.

Entenda as diferenças e economize ao optar entre um financiamento e um consórcio

Quando você pensa em trocar de carro, começam a surgir na cabeça vários questionamentos sobre como pagar pelo veículo, qual a melhor opção, como comprar o melhor carro, fazendo o menor investimento.

Não basta passar na concessionária toda semana e namorar aquele Gol a venda que está no pátio, com a placa de promoção imperdível. É preciso estar atento aos detalhes e fechar o melhor negócio para você e seu bolso, e não para a loja.

Por isso, mesmo que você não tenha o dinheiro para comprar o seu veículo novo, mas que levar um carro para casa, é importante saber quais as opções que podem garantir que você realize sua vontade.

Você conhece as diferenças entre o financiamento e o consórcio de um veículo? Se você ainda tem dúvidas sobre qual das opções podem se encaixar com as suas necessidades, separamos informações importantes para você neste texto.

Por que fazer um financiamento?

Financiar um veículo é uma das formas mais fáceis de colocar um carro na garagem, mesmo sem ter  todo o dinheiro necessário para pagar pelo automóvel na hora da compra.

A guerra entre as montadoras para aumentar o número de clientes tem causado um efeito no mercado. Nessa concorrência, quem está ganhando mais é o consumidor, que tem benefícios como taxas de juros mais atrativas na hora de fechar um negócio.

O cliente ainda pode contar com sistemas onlines, que fazem a simulação e a contratação de um financiamento na hora.

Características do Financiamento:

O financiamento de veículos não possui uma tabela de juros fixa. Cada empresa pratica uma política diferenciada para atrair seus clientes.

Em geral, os prazos de pagamento são relacionados diretamente as taxas de juro. Na média, em um ano, você paga 26% a mais do valor do veículo somente em juros.

Via de regra, prazos de 12 a 24 meses possuem uma taxa que varia entre 1,5 e 2% do valor contratado. Quanto maior o prazo de pagamento, mais baixa fica a taxa, porém, no acumulado dos meses, o cliente chega a pagar 60% a mais do valor do veículo, somente para segurança do empréstimo, o que conhecemos por juros.

Mas vale a pena?

A resposta certa seria depende. Tudo vai variar de acordo com as necessidades do cliente. Para tirar o carro da loja e colocar na garagem na mesma hora, mesmo sem ter o dinheiro para pagar, o financiamento é a única opção.

Claro, você paga pelo imediatismo, e isso é cobrado na forma de juros sobre o valor emprestado pela empresa para o pagamento integral do veículo para a concessionária.

Por que fazer um consórcio?

Vamos para um exemplo prático. Você está pesquisando um Uno a venda, faz visitas em todas as concessionárias da marca e chega a conclusão que o modelo zero quilômetro, com os opcionais que te agrada, custa R$ 30 mil.

Você não tem esse dinheiro todo disponível para pagamento imediato, e de certa forma, também não está tão descontente com o veículo antigo que já possui.

Nesse momento, uma boa opção para adquirir esse veículo em um espaço de tempo médio, é a aquisição de uma conta em um contrato de consórcio.

Você passa um tempo fixo fazendo uma poupança, que no final do período acordado no contrato, você recebe o seu investimento em forma de uma carta de crédito, que serve como o pagamento do carro que você escolheu na loja.

Características do Consórcio:

O consórcio é uma forma diferente de guardar dinheiro. Diferente da poupança que você guarda o valor integral, e ainda tem o benefício de ganhar juros pelo que está poupando, o consórcio não te paga juros e ainda cobra uma taxa.

Essa é a principal característica de um consórcio. Você poupa uma parcela fixa e para isso paga uma taxa, que varia de acordo com o contrato. Em média essa taxa de administração custa de 10 a 20% do valor da cota do consórcio.

Quanto mais baixa for essa taxa de administração, mais vantajoso é para o cliente. Para não sair no prejuízo é preciso ficar atento a esse detalhe, e também, a idoneidade da empresa administradora do consórcio.

Na prática você paga para poder escolher um carro e depois a empresa administradora do consórcio faz o repasse do dinheiro para a loja, pagando o carro que você escolheu.

Diante das diferenças, qual a melhor opção?

Não importa se você pretende comprar um Ford Fiesta ou um modelo da BMW, a melhor opção é aquela que agrada e atende as suas necessidades.

Quando a conversa é sobre qual é a melhor forma de pagamento, a resposta é, aquela que cabe no seu bolso.

Se você não tem pressa para adquirir o carro, e principalmente, não quer pagar taxas altas de juros, a melhor opção é um consórcio. Se você for sortudo, pode ser contemplado ao longo do período contratado e ter a carta de crédito no valor integral para comprar seu carro antes da hora planejada.

Se você é mais imediatista, e prefere sair da loja com um carro novo, fique atento as taxas de juros e escolha o veículo de acordo com o seu orçamento, fazendo um financiamento que não aperte as contas no final do mês.

Gostou deste texto sobre as diferenças entre o financiamento e o consórcio? E se eu te contar que a Sorella possui seguradoras parceiras que comercializam esses dois produtos, ficou interessado? Nos consulte pelo (47) 3222-0284 ou no e-mail sorella@sorellaseguros.com.br.

 

 

Conheça a importância do Seguro de Vida Individual

O seguro de vida individual, ainda é um seguro pouco explorado pelas pessoas, ele não parece ter tanta importância quanto um seguro de automóvel ou de residência, mas ele é tão importante quanto os demais. É ele quem vai trazer tranquilidade em situações difíceis, nas quais, dinheiro será a última coisa em que você vai querer pensar.

É muito melhor deitar a cabeça no travesseiro e pensar que você e sua família estão amparadas financeiramente em casos de imprevistos, do que imaginar que, de uma hora para outra, sua renda familiar pode ficar comprometida.

O Seguro de Vida Individual oferece diferentes coberturas de acordo com a necessidade do segurado. Conheça as principais coberturas de um Seguro de Vida:

1. Morte

Garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários na morte do segurado por causa natural ou acidental.

2.Invalidez total ou parcial por acidente

Garante indenização em caso de perda, redução ou incapacidade funcional definitiva, total ou parcial de algum membro ou órgão. Se a invalidez por acidente for parcial, ou seja, quando ainda restar alguma função da parte do corpo ou do órgão lesado no acidente, a indenização será aplicada de acordo com tabela especifica.

3.Invalidez permanente total por doença

Indenização por invalidez da qual não se pode esperar a recuperação ou reabilitação com os recursos terapêuticos disponíveis.

4.Doenças graves

Garante o pagamento de indenização no caso de serem diagnosticadas as doenças que foram especificadas e caracterizadas nas condições gerais e/ou especiais do contrato do seguro.

5.Auxilio ou Assistência Funeral (Individual ou Familiar)

Garante a prestação do serviço completo de assistência funeral, mediante acionamento junto à seguradora, ou prevê o pagamento dos gastos que a família possa ter com o funeral particular do segurado, cônjuge ou filhos.

Agora que você conhece as principais coberturas do seguro de vida, que tal garantir a tranquilidade de sua família?

Venha descobrir que o Seguro de Vida Individual não é tão caro quanto você imagina! Fale conosco: 47 3222 0284 ou 47 99174-5774.

Você está financeiramente pronto para imprevistos ou para a aposentadoria?

 

O preparo financeiro para qualquer situação não é o mesmo que ter um grande patrimônio ou uma grande renda. Se você já está numa situação mais confortável, tanto melhor. Mas há medidas que você pode e deve tomar mesmo ainda distante da independência financeira.

Estar financeiramente pronto para imprevistos ou aposentadoria é:

1 – Assumir o controle sobre suas finanças

Para isso, você deve ter um controle do que entra e do que sai (valem planilhas e aplicativos), lembrando que é mais importante o que você faz com o que ganha do que quanto você ganha.
Reduzir os grandes gastos (moradia e automóvel, por exemplo), em vez de apenas cortar o cafezinho, vai ajudar a baixar outras despesas atreladas e você terá mais dinheiro para os demais passos.

2 – Blindar-se contra o fracasso

Aqui entra o papel dos seguros, para proteger seu patrimônio e sua renda. E por falar em proteger a renda, aqui fica claro como mesmo quem ainda está construindo o patrimônio pode tomar uma das melhores medidas para estar financeiramente pronto: No seguro de vida existe uma cobertura que você pode contratar para justamente garantir sua renda no caso de afastamento do trabalho por acidente ou doença. Assim, seu planejamento financeiro não fica comprometido.
Se você fez bem a etapa número 1, acima, sobra tanto para a proteção dos seguros quanto para a etapa seguinte.

3 – Investir para aposentadoria ou projetos futuros

Em vez de falarmos de aposentadoria, é preferível adotarmos a expressão “independência financeira”. Afinal, é claro que é preferível não corrermos o risco de não estarmos nas melhores condições para continuar trabalhando e sermos obrigados a trabalhar por não termos reservas financeiras. Mas, além disso, hoje em dia é comum chegarmos na idade em que poderíamos nos aposentar e ter disposição de sobra para continuar trabalhando. Então, mesmo nesta situação é importante ter atingido a independência financeira, pois você pode trabalhar em algo que gosta, e não porque precisa.
Para isso, um grande aliado é a Previdência Privada, que pode lhe dar acesso a rentabilidades diferenciadas com a garantia de que as regras não vão mudar como acontece na Previdência Social.
E, com o tempo, você pode reduzir as coberturas do seguro de vida, porque já terá acumulado um valor significativo na Previdência Privada, que você mesmo pode utilizar em vida, ou que pode ser liberado para dependentes sem passar por inventário. Assim, você reduz custos com seguros ao mesmo tempo em que continua protegido.

Quer ajuda neste processo? Fale conosco: sorella@sorellaseguros.com.br ou 47 3222 0284.

O que o dono de uma pequena empresa precisa saber sobre seguros

 

Um seguro comumente contratado pelas empresas é o Seguro Compreensivo Empresarial. Ele tem uma função parecida com a do Seguro Residencial. O que muitos não sabem e acabam não aproveitando é que, também como ocorre no Seguro Residencial, o Seguro Empresarial também pode ter serviços de assistência que podem ser acionados durante a vigência. Desta forma, mesmo que o seguro não seja utilizado por causa de um sinistro (tanto melhor, aliás), o empresário pode chamar eletricistas, encanadores e serviços de descarte, por exemplo, sem precisar pagar a mais por isso, e gerando economia para o negócio.

 

E, se o empresário contrata o Seguro Compreensivo por entender que algo de ruim pode acontecer com sua empresa, convém lembrar que, na mesma hora, membros da sua equipe podem estar dentro da empresa. Aqui entra a proteção fornecida pelo Seguro de Vida.

 

O Seguro de Vida vai garantir que a empresa não precise retirar do caixa o valor para indenizar ou o colaborador no caso de uma invalidez, ou sua família no caso de morte, além de evitar multas sindicais nos casos em que o ramo da empresa tem uma convenção coletiva que exige este seguro.

 

Além disso, o próprio empresário pode incluir para si coberturas diferenciadas, aproveitando que a contratação como pessoa jurídica é mais barata do que como pessoa física.

 

Tanto no Seguro Compreensivo Empresarial quanto no Seguro de Vida, deve-se estar atento para a contratação de coberturas pertinentes, e com valores suficientes. Assim, garante-se que, se necessário, a indenização será recebida, e num valor que realmente fará a diferença.

 

E, é claro, existem outros seguros que podem tanto ajudar na proteção financeira quanto na retenção de talentos. É o caso, por exemplo, dos seguros de Responsabilidade Civil e seguro Saúde.

 

Para mais informações, ou cotações, fale conosco: 47 3222 0284 ou sorella@sorellaseguros.com.br.

Como o seguro de vida pode ajudar a garantir sua aposentadoria

 

Quando você não tem um Seguro de Vida com coberturas para as possíveis situações de invalidez ou afastamento temporário do trabalho, caso lhe aconteça de um acidente ou doença lhe impedirem de trabalhar, a sua renda fica comprometida e, consequentemente, também fica qualquer projeto que, querendo ou não, depende da sua renda.

 

O pagamento do INSS também depende da nossa renda. Contudo, ao vermos que a aposentadoria via Previdência Social tende a ter regras que dificultam cada vez mais uma vida digna no futuro, a orientação de consultores financeiros tem sido a de contribuir para o INSS com o mínimo possível, ao mesmo tempo em que buscamos proteção financeira de outras formas. Veja algumas delas:

 

Para garantir sua tranquilidade na aposentadoria, você pode ter:

– Investimentos em dinheiro que lhe rendam juros suficientes para lhe manter;

– Imóveis cujos aluguéis cubram suas despesas;

– Um projeto empreendedor que lhe permita retiradas em forma de pró-labore ou distribuição de lucros para seu sustento.

– Uma previdência privada que venha a lhe render pagamentos mensais ou um montante que você pode sacar de uma vez só para administrar por conta própria a partir de então.

 

Qualquer das alternativas acima precisam ser construídas a partir da renda que você tem agora, e que deve, preferencialmente, aumentar com o passar do tempo.

 

Por isso, lembre-se que uma vida mais modesta vai lhe permitir tanto investir para seu futuro quanto para ter o seguro que vai garantir a renda para que os investimentos não precisem ser interrompidos, da mesma forma que o patrimônio que você já tiver construído não precisará ser desfeito.

 

Assim, você pode ficar tranquilo não só no futuro, mas desde agora.

 

Para cotações, entre em contato: sorella@sorellaseguros.com.br ou 47 3222 0284

 

2 passos para garantir seu futuro com seguro de vida e previdência privada:

 

Já escrevemos aqui sobre como compensar as perdas com as mudanças na Previdência Social. E como não podemos contar apenas com o INSS para garantirmos uma vida tranquila, convém pensarmos em alternativas para as perguntas:

Se lhe acontecesse algo e você não pudesse trabalhar (mesmo que temporariamente), quanto tempo você poderia viver sem sua renda?

Se você chegar a uma idade em que não consegue mais desenvolver a atividade que lhe gera renda, como você se manteria até o fim da vida?

Se você não voltasse para casa hoje, como a família se sustentaria?

 

É aqui que entram as soluções de seguro de vida e previdência privada para garantir seu presente e seu futuro em 2 passos:

 

1 – Enquanto você ainda é jovem, tenha tanto seguro de vida quanto previdência privada:

O seguro de vida será para garantir sua renda nos casos de afastamento temporário no caso de invalidez, e/ou para garantir o sustendo da família no caso do seu falecimento. A previdência privada será para sua aposentadoria ou projetos futuros. Mesmo quando a preocupação é ter renda no futuro, ter o seguro além da previdência garante que você vai poder continuar com as contribuições para a previdência graças ao seguro.

 

2 – Na medida em que o tempo passa, revise suas coberturas de seguro, podendo priorizar a previdência privada:

Assim que você vai atingindo uma idade mais avançada, sua previdência privada tem boas chances de já ter acumulado um valor significativo. Neste caso (e com ajuda do seu corretor) a cobertura do seu seguro para o caso de morte, por exemplo, pode ser reduzida ou, até mesmo, eliminada. Afinal, o montante que você juntou na previdência já cumpre o papel de proteger os projetos dos seus dependentes.
Mesmo outras coberturas do seguro de vida podem ser revisadas e talvez até retiradas da apólice.

Se você ainda não tinha pensado nisso, entre em contato: 47 3222 0284 ou sorella@sorellaseguros.com.br

Vamos planejar e garantir seu futuro!

Carta Verde – O seguro obrigatório para viagem de carro pelo Mercosul

 

Quando vamos para Argentina, Paraguai, Uruguai ou demais países do Mercosul, ou quando nossos vizinhos destes países vêm para o Brasil de carro, um seguro se faz obrigatório desde 1994: O Carta Verde.

 

Graças a este seguro, você é reembolsado caso precise pagar por ser civilmente responsável por danos pessoais, danos materiais, despesas médico-hospitalares, invalidez permanente ou morte causados por acidente.

 

A vigência neste seguro é deve ser a mesma do período de permanência no país vizinho. E para maior tranquilidade das famílias, não é uma má ideia contratar para uns 2 dias a mais, para o caso de, em algum imprevisto, precisar ficar mais tempo e continuar coberto.

 

Algumas seguradoras oferecem gratuitamente o Carta Verde como cobertura em suas apólices de Seguro Auto. E independentemente de estar incluso ou não no seguro do veículo, é importante lembrar que pode e deve ser contratado mesmo por quem não tem o seguro do automóvel, já que a ideia do Carta Verde é abranger terceiros.

 

Principalmente no sul do Brasil, não são poucas as famílias que optam por pegar a estrada, tendo como destinos preferidos a Argentina e o Paraguai, na Tríplice Fronteira.

 

Fale com a Sorella e viaje tranquilo: 47 3222 0284 ou sorella@sorellaseguros.com.br.

5 Erros a evitar sobre Seguro Residencial

 

Mais de 80% dos lares brasileiros não têm seguro residencial, segundo dados da FenSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais). Entretanto, mesmo a minoria que está segurada acaba não estando totalmente protegida devido a erros comuns ao contratar, ou por achar que o seguro do condomínio previne todos os problemas.

 

Confira 5 erros comuns envolvendo seguro residencial:

 

1 – Não contratar por morar em apartamento

Os condomínios são obrigados por lei a ter seguro. Entretanto, as unidades autônomas não têm todos os riscos cobertos pelo seguro do condomínio. Veja o erro número 2, abaixo:

 

2 – Não incluir cobertura para conteúdo

Ao cotar e contratar, é importante que seja incluída a cobertura para conteúdo, pois caso aconteça o pior, os prejuízos não envolvem apenas a construção em si. Móveis e eletro-eletrônicos, por exemplo, também precisarão ser repostos.

 

3 – Não incluir cobertura de furto/roubo

Esta costuma ser uma cobertura cara. É comum, por exemplo, que uma cobertura de roubo para algumas dezenas de milhares de Reais custe o mesmo que a cobertura de incêndio de centenas de milhares de Reais. Contudo, isso mostra justamente como a cobertura de furto e roubo é importante. Afinal, quando uma cobertura é mais cara, isso é sinal de que, estatisticamente, ela é mais acionada, justamente por ser um sinistro que ocorre com mais frequência.

 

4 – Contratar coberturas abaixo do ideal

Na tentativa de deixar o seguro mais barato, muitas vezes os valores de coberturas são subdimensionados. O que é importante lembrar, neste caso, é que se ocorrer um sinistro, o valor recebido não será suficiente para repor os prejuízos.

 

5 – Não incluir serviços de assistência

As assistências que podem ser incluídas no seguro residencial representam uma alteração pequena no valor final, mas podem representar uma grande economia durante a vigência da apólice. Você pode acionar assistências para, por exemplo: conserto de eletrodomésticos, serviços hidráulicos, serviço de chaveiro, limpeza de caixa d’água, de calha e de ar-condicionado, entre outros serviços.

 

Quer contratar corretamente e ficar verdadeiramente tranquilo? Fale conosco:

47 3222 0284 ou sorella@sorellaseguros.com.br