Glossário de Seguros: conheça os termos mais comuns

Você já teve a sensação de ler um contrato de seguro e não entender nada? Quando o assunto é sobre seguros, para algumas pessoas, pode parecer um tema difícil de compreender. 

Por possuir nomenclaturas específicas, os termos técnicos acabam dificultando o entendimento pleno do assunto. Para cada modalidade do serviço é utilizado diferentes termos, não muito comuns no dia a dia de 

quem não convive nesse meio.

No momento de pesquisar sobre um seguro, seja para viajar, para proteger sua casa, carro ou um seguro saúde é normal encontrar termos desconhecidos deixando a leitura cansativa, afinal você não compreende 100% do vocabulário utilizado e sua real aplicação.

Para adquirir conhecimento, deixar a leitura mais fluida e não ter a sensação de ser passado para trás, separamos os termos mais comuns utilizados nos serviços de seguros.

É importante ressaltar que cada seguradora pode ter suas próprias definições. Normalmente, está em anexo o glossário com as definições dos termos utilizados.

Acompanhe o nosso glossário para ficar por dentro de todos os termos utilizados no mundo dos seguros.

termos técnicos de seguros

 

Termos gerais de seguros

Entenda os termos gerais presentes em todos os tipos de seguros.

Adesão: ação de contratar um seguro. O contrato de adesão é o documento de formalização da aceitação da proposta do seguro.

Aditivo ou Endosso: alteração da apólice original, porém não modifica a cobertura básica oferecida.

Agravação de risco: circunstância que podem potencializar a probabilidade de uma situação grave ocorrer, após a contratação do seguro.Sendo assim, a seguradora pode acrescentar os valores cobrados ou realizar a recusa.

Análise de risco: estudo técnico, por parte da seguradora, feito com base na mensuração de riscos para realizar determinação de preços e condições dos seguros.

Apólice: documento referente ao tipo de seguro contratado, consta as cláusulas gerais, particulares e especiais dos contratos. O segurado transfere a responsabilidade de risco, do bem ou pessoa, para a seguradora.

Aviso de Sinistro: ato de comunicar a seguradora sobre a ocorrência das situações previstas na apólice. 

Beneficiário: quem irá receber a indenização em caso de Sinistro. Podendo ser pessoa física ou jurídica.

Benefício: valor pago ao segurado.

Bem: objeto, direito ou ação que pode ser propriedade de pessoa física ou jurídica.

Caducidade: término de um direito, seja pela ausência de seu exercício no prazo previsto em lei, pela vontade das partes envolvidas ou pelo cumprimento das obrigações estabelecidas.

Cancelamento de apólice: finalização do contrato de seguro. Pode ocorrer de comum acordo ou no pagamento do valor da apólice.

Cláusula: texto que contêm as condições gerais, particulares e especiais dos contratos de seguro.

Cláusula adicional: cláusula acrescentada ao contrato.

Cobertura ou Garantia: garantia de proteção contra riscos previstos nas apólices dos seguros. Dependendo do seguro, existem coberturas básicas ou adicionais.

Dano: prejuízo sofrido pelo segurado.

Indenização ou Liquidação de Sinistro: pagamento realizado pela empresa ao segurado quando ocorre o evento determinado no seguro. 

Laudo: documento que consta os registros realizados pela perícia.

Portabilidade: mudança para outros planos de seguros.

Segurado: Pessoa física ou jurídica que contrata o seguro, podendo ser pra si ou para terceiros.

Seguradora: empresa que assume os riscos previstos em contato estabelecido com o segurado.

Sinistro: ocorrência da situação prevista na apólice.

Vigência: período vigente da apólice.

Vistoria de Sinistro: após a ocorrência do Sinistro, peritos habilitados realizam a verificação para estabelecer os prejuízos ocorridos.

Seguros sociais, privados e de pessoas

Alguns dos termos utilizados para seguros sociais, privados e de pessoas são:

Acidente: situação imprevista no contrato que pode gerar danos, seja para uma pessoa ou para o objeto segurado.

Acidente Pessoal: está relacionado a pessoa, podendo levar à morte, invalidez total, parcial ou permanente. Os casos de tratamento médico também são considerados.

Capital segurado: valor financeiro segurado nas apólices dos seguros de vida e de acidentes pessoais.

Carência: para as apólices de vida e saúde a segurado tem um prazo de isenção de pagamento dos riscos.

Seguros auto

Para os seguros auto separamos alguns ternos também, acompanhe a seguir.

Avaria: danos causados aos bens segurados.

Casco: cobertura de seguro oferecida à lataria de automóveis, a cascos de embarcações e a fuselagens de aeronaves.

Condutores: pessoas habilitadas, com autorização do Segurado, dirigem o veículo ou o tem sob sua responsabilidade no momento do Sinistro.

Diminuição de riscos: ação realizada para reduzir o risco que envolve a pessoa ou o bem segurado. 

Perda total: quando o objeto se torna definitivamente impróprio para o uso. É necessário que o dano ou destruição seja de pelo menos 75% do valor do bem.

Após entender os termos técnicos, ler o seu contrato de seguro fica muito mais fácil. Em caso de dúvidas, converse com a equipe responsável pelo seu atendimento e solicite explicações mais detalhadas. Lembrando que cada seguradora e tipo de seguro possui nomenclaturas diferenciadas.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais, assim todo mundo aprende um pouco mais sobre os termos de seguros que parecem tão difíceis.

Entenda as diferenças e economize ao optar entre um financiamento e um consórcio

Quando você pensa em trocar de carro, começam a surgir na cabeça vários questionamentos sobre como pagar pelo veículo, qual a melhor opção, como comprar o melhor carro, fazendo o menor investimento.

Não basta passar na concessionária toda semana e namorar aquele Gol a venda que está no pátio, com a placa de promoção imperdível. É preciso estar atento aos detalhes e fechar o melhor negócio para você e seu bolso, e não para a loja.

Por isso, mesmo que você não tenha o dinheiro para comprar o seu veículo novo, mas que levar um carro para casa, é importante saber quais as opções que podem garantir que você realize sua vontade.

Você conhece as diferenças entre o financiamento e o consórcio de um veículo? Se você ainda tem dúvidas sobre qual das opções podem se encaixar com as suas necessidades, separamos informações importantes para você neste texto.

Por que fazer um financiamento?

Financiar um veículo é uma das formas mais fáceis de colocar um carro na garagem, mesmo sem ter  todo o dinheiro necessário para pagar pelo automóvel na hora da compra.

A guerra entre as montadoras para aumentar o número de clientes tem causado um efeito no mercado. Nessa concorrência, quem está ganhando mais é o consumidor, que tem benefícios como taxas de juros mais atrativas na hora de fechar um negócio.

O cliente ainda pode contar com sistemas onlines, que fazem a simulação e a contratação de um financiamento na hora.

Características do Financiamento:

O financiamento de veículos não possui uma tabela de juros fixa. Cada empresa pratica uma política diferenciada para atrair seus clientes.

Em geral, os prazos de pagamento são relacionados diretamente as taxas de juro. Na média, em um ano, você paga 26% a mais do valor do veículo somente em juros.

Via de regra, prazos de 12 a 24 meses possuem uma taxa que varia entre 1,5 e 2% do valor contratado. Quanto maior o prazo de pagamento, mais baixa fica a taxa, porém, no acumulado dos meses, o cliente chega a pagar 60% a mais do valor do veículo, somente para segurança do empréstimo, o que conhecemos por juros.

Mas vale a pena?

A resposta certa seria depende. Tudo vai variar de acordo com as necessidades do cliente. Para tirar o carro da loja e colocar na garagem na mesma hora, mesmo sem ter o dinheiro para pagar, o financiamento é a única opção.

Claro, você paga pelo imediatismo, e isso é cobrado na forma de juros sobre o valor emprestado pela empresa para o pagamento integral do veículo para a concessionária.

Por que fazer um consórcio?

Vamos para um exemplo prático. Você está pesquisando um Uno a venda, faz visitas em todas as concessionárias da marca e chega a conclusão que o modelo zero quilômetro, com os opcionais que te agrada, custa R$ 30 mil.

Você não tem esse dinheiro todo disponível para pagamento imediato, e de certa forma, também não está tão descontente com o veículo antigo que já possui.

Nesse momento, uma boa opção para adquirir esse veículo em um espaço de tempo médio, é a aquisição de uma conta em um contrato de consórcio.

Você passa um tempo fixo fazendo uma poupança, que no final do período acordado no contrato, você recebe o seu investimento em forma de uma carta de crédito, que serve como o pagamento do carro que você escolheu na loja.

Características do Consórcio:

O consórcio é uma forma diferente de guardar dinheiro. Diferente da poupança que você guarda o valor integral, e ainda tem o benefício de ganhar juros pelo que está poupando, o consórcio não te paga juros e ainda cobra uma taxa.

Essa é a principal característica de um consórcio. Você poupa uma parcela fixa e para isso paga uma taxa, que varia de acordo com o contrato. Em média essa taxa de administração custa de 10 a 20% do valor da cota do consórcio.

Quanto mais baixa for essa taxa de administração, mais vantajoso é para o cliente. Para não sair no prejuízo é preciso ficar atento a esse detalhe, e também, a idoneidade da empresa administradora do consórcio.

Na prática você paga para poder escolher um carro e depois a empresa administradora do consórcio faz o repasse do dinheiro para a loja, pagando o carro que você escolheu.

Diante das diferenças, qual a melhor opção?

Não importa se você pretende comprar um Ford Fiesta ou um modelo da BMW, a melhor opção é aquela que agrada e atende as suas necessidades.

Quando a conversa é sobre qual é a melhor forma de pagamento, a resposta é, aquela que cabe no seu bolso.

Se você não tem pressa para adquirir o carro, e principalmente, não quer pagar taxas altas de juros, a melhor opção é um consórcio. Se você for sortudo, pode ser contemplado ao longo do período contratado e ter a carta de crédito no valor integral para comprar seu carro antes da hora planejada.

Se você é mais imediatista, e prefere sair da loja com um carro novo, fique atento as taxas de juros e escolha o veículo de acordo com o seu orçamento, fazendo um financiamento que não aperte as contas no final do mês.

Gostou deste texto sobre as diferenças entre o financiamento e o consórcio? E se eu te contar que a Sorella possui seguradoras parceiras que comercializam esses dois produtos, ficou interessado? Nos consulte pelo (47) 3222-0284 ou no e-mail sorella@sorellaseguros.com.br.