Novembro Azul

Durante todo o mês de outubro ouvimos falar sobre o Outubro Rosa, já em novembro ocorre o Novembro Azul. Mas você sabe o que é o Novembro Azul; qual a importância desse mês para a saúde masculina; por que ainda existe tanto preconceito a respeito dessa doença; quais os sintomas; os fatores de risco para o desenvolvimento da doença; como realizar o diagnóstico e como realizar a prevenção?

A gente te explica tudo isso aqui!

O Novembro Azul, assim como o Outubro Rosa é um movimento mundial. A sua criação é recente, iniciada em 2003 na Austrália. Porém, somente em 2008 começamos a falar sobre o tema no Brasil. Comemorado em novembro, pois o dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata ocorre no dia 17 deste mês.

O símbolo e as cores remetem ao universo masculino, a cor azul e o bigode. Durante todo o mês é realizado ações para conscientizar a população sobre o tema, prevenção e diagnóstico precoce do câncer de próstata. Muitas instituições e órgãos públicos colocam nas fachadas dos prédios a cor azul, como apoio ao movimento, exatamente como em outubro, no Outubro Rosa.

Qual a importância do Novembro Azul para a saúde masculina?

A cultura brasileira em relação á saúde masculina é cheia de preconceitos. Culturalmente o homem cuida muito menos da saúde do que a mulher e quando se trata de algo tão próximo da virilidade masculina o assunto piora.

No Brasil, segundo o Inca, o câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum entre homens. Falar sobre o assunto é uma maneira de desmistificar os tabus que existem, incentivar a população a se informar sobre o tema e procurar auxílio médico para se prevenir.

Quanto mais discussões e incentivo para falar sobre o tema, mais pessoas serão impactadas positivamente e terão a oportunidade de realizar o tratamento adequado.

Quais os sintomas da doença?

No início a doença pode ser silenciosa, não apresentando sintomas. Ou podem apresentar dificuldade em urinar ou a necessidade de urinar muitas vezes. 

Já no estágio avançado os sintomas são dores óssea, infecção generalizada ou insuficiência renal.

Quais os fatores de risco?

Conheça os principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

  • A idade é um dos principais fatores de risco e possuem aumento significante após os 50 anos de idade;
  • outro ponto de atenção são os casos na família, pais ou irmãos com a doença pode refletir fatores genéticos ou hábitos alimentares;
  • excesso de gordura corporal;
  • exposição a arsênio, produtos de petróleo, motor de escape de veículo, hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA), fuligem e dioxinas.

Como realizar o diagnóstico da doença?

O médico pode solicitar dois exames para ter o diagnóstico, porém se necessário, pode ser solicitado exames complementares também. Os exames mais comuns são:

  • Dosagem de PSA: exame de sangue que irá avaliar a quantidade do antígeno prostático específico.
  • Toque retal: nesse exame o médico apalpa a próstata para identificar nódulos ou tecidos endurecidos. O exame é rápido, cerca de 15 segundos, e indolor.

Somente com a biópsia é confirmado o câncer, que é feita com uma amostra de tecido da glândula com auxílio da ultrassonografia.

A idade ideal para realizar o exame é 50 anos, porém para quem teve a doença na família o exame pode ser realizado a partir dos 45 anos. Com o tratamento precoce as chances de recuperação são altas.

Quais as práticas para prevenir o câncer de próstata?

Para manter a saúde em dia e prevenir o aparecimento do câncer de próstata algumas ações devem ser realizadas.

  • Ter uma alimentação saudável. Comer frutas, legumes, verduras, proteínas. Mantendo todas as refeições bem equilibradas sem pular nenhuma. Beber bastante líquidos e evitar o consumo em excesso de gorduras e bebidas alcoólicas;
  • evitar o uso de cigarro;
  • realizar atividades físicas regularmente. Independente da atividade escolhida, ela deve ser prazerosa e contínua, pelo menos três vezes durante a semana.

Seguindo essas dicas e realizando o acompanhamento médico regularmente é possível se cuidar.

Cuidar da saúde é assunto sério, devemos deixar de lado o preconceito e o tabu sobre o assunto para ter uma vida mais saudável. Buscar informações, ficar atento aos sinais do corpo e procurar um médico caso apresentar algum sinal.

E você, alguma dúvida sobre a doença? Deixe nos comentários abaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *